Galeria
TransGranCanaria 2012
Redes Sociais
  • Sem Título
    […]
Actividades/Treinos – Todas
Garmin connect LF201xs
Afis/Ovar

AFIS/Ovar


Meia-Maratona Cidade de Ovar

Meia-Maratona Cidade de Ovar

Freita(S) Quest #1 – 06.01.2013

TransGranCanaria 2012 – Finisher

Serra da Freita – Percursos mágicos

Ontem foi dia de treino e mais uma vez na Freita – Acho que começa a ser um caso sério de paixão :)

Aproveitei para reconhecer um novo percurso, socorrendo-me de partes de outros que já conhecia e/ou tinha feito e juntando, com recurso às maravilhas da tecnologia (Google Maps, RouteConverter, … ), partes novas de ligação entre eles.

Sozinho, ao percorrer alguns dos mais belos trilhos que por lá existem, dei comigo a pensar no trabalho e dedicação de dias, meses, talvez anos que os nossos antepassados tiveram há décadas, centenas ou até milhares de anos atrás, a construir o que à época seriam verdadeiras “auto-estradas” recorrendo, contrariamente ao que se faz agora, a materiais e matérias-primas locais, num verdadeiro exercício de auto-subsistência (que tanta falta nos faz reaprender hoje em dia) e que em alguns aspectos são verdadeiras obras-primas de engenharia (Há uma anedota que conta que naqueles tempos deixavam os burros escolher o caminho, pois eles escolhiam sempre o melhor percurso. Alguém pergunta: “E quando não tem burros?” “Nesse casos chamamos um Engenheiro”, responderam :)   ). E ainda por cima com mais uma vantagem: não deixavam as comunidades locais endividadas para fazer as obras ;)

A minha homenagem a esses heróis por me permitirem, ainda nos dias de hoje, usufruir, desfrutar e tirar prazer do magnifico resultado do seu trabalho !!!

Infelizmente, em muitos casos, depois de um ímpeto inicial, em que foram construídos alguns percursos marcados (PRs), quer seja por falta de manutenção quer seja pelos incêndios que proporcionam depois o aparecimento de espécies invasoras, quer pelos anos sucessivos de abandono da agricultura e das terras, alguns desses magníficos percursos estão, lamentavelmente, praticamente intransitáveis … Uma pena e a merecer outra atenção por parte das entidades responsáveis pela manutenção desses mesmos PRs.

Noutros casos, sobre o pretexto do desenvolvimento (?!?), bulldozers, arrasam em horas o que demorou tantos anos a construir: Já passei duas vezes no que antes era um trilho de pé posto entre a Póvoa das Leiras e o Inicio do Trilho dos Incas e ainda não consegui perceber porquê raio e qual a utilidade de o terem arrasado para fazer um estradão de 300mts que não serve nem populações, nem terrenos e que, aparentemente, não terá qualquer hipótese de continuidade. Talvez tenha sido a obra do ano do presidente da junta lá do sítio; ou então eram as cabras e as ovelhas que reclamavam por darem cabo das unhas sempre que lá passavam :)

Dorsais 2011

Dorsais 2011

Dorsais 2011

Da esquerda para a direita, de cima para baixo:
Meia de Viana, Trail Castelejo, 101 Peregrinos, Geira, Rota do Alvarinho, Freita, Tilenus Extreme, BTT Laac, Arga, BTT Arouca, BTT Raid Fogaça, BTT Rosa do Adro.
Ainda em BTT, acrecentar Marcha do Requeson, Transportugal dos Pequeninos (Bragança > Almeida) e BTTzada AZRaids a S. Macario e nocturno Extremo Noroeste.

BTT – Bragança > Almeida 9,10e 11 de Junho de 2011

3 dias de bom BTT e melhor companheirismo nas espectaculares paisagens do Nordeste Transmontano, Planalto Mirandês, Alto-Douro Vinhateiro e Beira Interior Norte

Nunca tinha feito um passeio por etapas em BTT, por isso quando me convidaram não hesitei. Por outro lado, depois dos 101 Peregrinos, depois da Geira e antes da Freita, andava saturado da corrida e precisava de desenjoar um pouco  :) embora não sabendo como o organismo iria reagir, uma vez que desde finais de Janeiro só tinha feito BTT em 3 ocasiões (cerca de 100Kms no total), mas a parte cardio existia e o resto era desafio :)

A equipa:

Equipa Transportugal dos Pequeninos :) <br> Antes da pratida em Bragança <br> Da esquerda para a direita: Freitas, Veloso, Miguel, Cortez, Adriano, Zé Manel, Hilário e Carlos Vaz

Da esquerda para a direita: Freitas, Veloso, Miguel, Cortez, Adriano, Ze Manel, Hilário e Carlos Vaz

Aspecto fundamental neste tipo de aventuras é que todos os que nela participem estejam no espírito de coisa, que as expectativas sejam parecidas, objectivos comuns,  que exista companheirismo e tolerância. Foi o caso:  tudo “malta boa onda”.

Obrigado por me convidarem e pela paciência de me aturarem. Da minha parte foi um prazer :)

As etapas:

Através dum um amigo conseguimos uns tracks GPS e decidimos fazer a ligação Bragança Almeida em 3 etapas, tendo em consideração as distâncias e aspectos logísticos (principalmente transporte e alojamento). Assim :

Etapa 1 – 9 de Junho-  Bragança > Caçarelhos (concelho de Vimioso)

Etapa 2 -  10 de Junho -  Caçarelhos > Freixo de Espada-à-Cinta

Etapa 3 – 11 de Junho – Freixo de Espada-à-Cinta > Almeida

(Ver registos GPS abaixo)

Aspectos Logísticos:

As Bikes já embarcadasA organização de uma empreitada desta natureza, não requer grande logística, mas há dois aspectos fundamentais a ter em conta:  O transporte (para o local de partida e o regresso do local de chegada) e o alojamento.

No nosso caso, alugamos um carro e uma carrinha de caixa aberta para nos transportar (e às “montadas”) até Bragança e o regresso de Almeida foi feito em carros próprios (familiares foram-no lá buscar)

As etapas também foram divididas tendo em conta a hora de partida (no 1º dia mais tarde, pois foi necessário entregar os carros no representante local da agência), a hora prevista de chegada. Dai o facto da primeira etapa ter sido mais curta.

Em Bragança ficamos hospedados alguns em casa dos pais de um dos participantes e outros no Hotel IBIS.
Em Caçarelhos ficamos hospedados na Casa de Caçarelhos  (excelente local e acolhimento) e em Freixo de Espada-à-Cinta na residencial Fatibel (também muito bom acolhimento e nota-se que já estão habituados a lidar com BTTistas)

(Ver fotogaleria)

Em resumo, uma fantástica jornada, com trilhos e paisagens muito bonitos e acima de tudo, mais uma vez, de uma sadia camaradagem e convívio entre todos os participantes.

A quem puder/tiver  oportunidade, aconselho vivamente e acreditem que tudo somado e dividido, não sai assim tão caro. É mais uma questão de oportunidade/disponibilidade.

Registos GPS


IV Ultra-Trail Vianova – Geira Romana

Domingo 22 de Maio de 2011

Mais uma vez, desloquei-me a esse paraíso natural que é o Gerês para participar pelo segundo ano consecutivo na corrida de Geira.

Este ano, o percurso foi encurtado em cerca de 9Kms 8partida um pouco antes da Portela do Homem)  devido ao facto de em Espanha ser dia de eleições (por isso a parte espanhola do percurso teve de ser suprimida) e, tinha ligeiras diferenças em relação ao do ano passado (nomeadamente à saída do museu em Campo do Gerês, no contornar do monte de S.Gens e na chegada que este ano foi num local diferente e com os últimos 400 mts a serem feitos dentro do rio) .

Quanto à prova em si, correu bem, mas um pouco aquém do esperado: comecei em bom ritmo, mas por volta do Km 30 quebrei (acho que ainda não estou completamente recuperado dos 101 Peregrinos) tendo terminado na 43ª posição, com o tempo de 4:34:14

Links relacionados:

Fotogaleria

Telemetria GPS

Página oficial da prova

CSI 101 Peregrinos – Finisher

Superado o primeiro grande desfio do ano em 12:41:14

Classificação provisória modalidade de corrida:

32º da Geral em 160 inscritos

22º no escalão Veteranos A masculino em 70 inscritos

Para a minha 1ª 100Kms e tendo em conta as limitações de treino não está mal … nada mal mesmo :)

Diploma 101 Peregrinos 2011Diploma de Finisher

Caderneta de controlo 101 Peregrinos

Caderneta de controlo 101 Peregrinos

Clique aqui para abrir a fotogaleria

Mais informação em www.101peregrinos.com

Finalmente de volta ao treinos !!!

Domingo, 20 de Março de 2011 – Parque eólico Montouto 2000

Após 4 semanas de (quase) paragem, finalmente de volta aos treinos e sem me ressentir da arreliadora lesão que me obrigou a paragem forçada e muita fisioterapia. Acho (pelo menos assim espero) que o pior já passou e que possa recomeçar a treinar normalmente.

Foi uma óptima maneira de dar as boas vindas e celebrar a Primavera, a que S. Pedro se quis associar com um dia de sol magnifico :)

Telemetria GPS

Trail Castelejo 2011

A equipa
Domingo, 04:15 da manhã e já estou acordado, a preparar toda a equipa e equipamento para mais uma jornada de desporto e aventura ao ar livre, numa zona que honestamente conhecia mal.

Organizado pela Associação de Aventura de Alvados (http://www.trilhodocastelejo.org/), esta prova nas opções de caminhada, 20Kms e 40Kms, percorre trilhos de grande beleza na serra dos Candeeiros e pelas faldas da serra de Aire.

O percurso magnifico, passando por zonas de grande beleza, com boas subidas, descidas radicais (ver vídeos abaixo), inclusive uma onde foi preciso recorrer à ajuda de uma corda, laminha qb, zonas mais rolantes e zonas mais técnicas, o que de facto se adequava bastante ao meus objectivos: Fazer um treino técnico e longo.

Comecei a prova num ritmo bom, mas ao fim de poucos kms as sensações não eram as melhores pois uma arreliadora dor na perna esquerda fez questão de me massacrar a paciência. No entanto até sensivelmente aos 13 Kms andei razoavelmente bem, mas depois, naquela que era a grande subida da prova quebrei um bocado. Por outro lado, os meus novos Salomon XA Pro faziam questão de ir coleccionando pedras e areias entre as palmilhas e os meus pés, o que ia contribuindo também para algum desconforto. Em sofrimento já perto da meta Fui aguentando e à saída do abastecimento dos 31 Kms (onde descansei alguns breves minutos), senti-me renascer, talvez por saber que a partir do Km 36 era mais ou menos sempre a descer. Por ironia do destino, foi precisamente ao descer, numa altura que ia a andar razoavelmente bem, que tropecei e, para não cair, lancei a perna esquerda para a frente e senti que algo tinha corrido mal, pois tive uma dor muito forte (agora, depois de consultar um Fisioterapeuta, já sei que fiz uma distensão e que reavivei uma rotura antiga, mal curada, o que me vai obrigar a algum tempo de paragem), o que fez com que fizesse os últimos 3 Kms em ritmo mais lento e em sofrimento.

Sem que isso seja importante, mas para memória futura, terminei a prova em 5:11:54 o que correspondeu ao 62º lugar na geral (em 113 atletas chegados) e 24º nos escalão M40

Em resumo, para mim, esta prova significou o regresso às provas de trail depois da Freita e serviu acima de tudo para verificar o meu estado de forma depois das ultimas semanas de treinos mais intensos e ao mesmo tempo também como preparação para uma das grandes provas que tenho previstas fazer este ano.

Para a restante “equipa” foi um dia de actividade ao ar livre (quero ir incutindo este espírito nas minhas filhas) e ao mesmo tempo educativo, pois no regresso aproveitei para as levar a visitar o Mosteiro da Batalha.

Links relacionados:

Telemetria do meu GPS

Fotogaleria

http://www.trilhodocastelejo.org/

http://www.omundodacorrida.com/phpBB2/showthread.php?5928-TRAIL-CASTELEJO-em-ALVADOS/page19

Videos (Gentileza Jorge Serrazina)



Descida da corda




Descida da Fórnea