Galeria
TransGranCanaria 2012
Redes Sociais
  • Sem Título
    […]
Actividades/Treinos – Todas
Garmin connect LF201xs
Afis/Ovar

AFIS/Ovar


Meia-Maratona Cidade de Ovar

Meia-Maratona Cidade de Ovar

Archive for the ‘BTT’ Category

BTT – Bragança > Almeida 9,10e 11 de Junho de 2011

3 dias de bom BTT e melhor companheirismo nas espectaculares paisagens do Nordeste Transmontano, Planalto Mirandês, Alto-Douro Vinhateiro e Beira Interior Norte

Nunca tinha feito um passeio por etapas em BTT, por isso quando me convidaram não hesitei. Por outro lado, depois dos 101 Peregrinos, depois da Geira e antes da Freita, andava saturado da corrida e precisava de desenjoar um pouco  :) embora não sabendo como o organismo iria reagir, uma vez que desde finais de Janeiro só tinha feito BTT em 3 ocasiões (cerca de 100Kms no total), mas a parte cardio existia e o resto era desafio :)

A equipa:

Equipa Transportugal dos Pequeninos :) <br> Antes da pratida em Bragança <br> Da esquerda para a direita: Freitas, Veloso, Miguel, Cortez, Adriano, Zé Manel, Hilário e Carlos Vaz

Da esquerda para a direita: Freitas, Veloso, Miguel, Cortez, Adriano, Ze Manel, Hilário e Carlos Vaz

Aspecto fundamental neste tipo de aventuras é que todos os que nela participem estejam no espírito de coisa, que as expectativas sejam parecidas, objectivos comuns,  que exista companheirismo e tolerância. Foi o caso:  tudo “malta boa onda”.

Obrigado por me convidarem e pela paciência de me aturarem. Da minha parte foi um prazer :)

As etapas:

Através dum um amigo conseguimos uns tracks GPS e decidimos fazer a ligação Bragança Almeida em 3 etapas, tendo em consideração as distâncias e aspectos logísticos (principalmente transporte e alojamento). Assim :

Etapa 1 – 9 de Junho-  Bragança > Caçarelhos (concelho de Vimioso)

Etapa 2 -  10 de Junho -  Caçarelhos > Freixo de Espada-à-Cinta

Etapa 3 – 11 de Junho – Freixo de Espada-à-Cinta > Almeida

(Ver registos GPS abaixo)

Aspectos Logísticos:

As Bikes já embarcadasA organização de uma empreitada desta natureza, não requer grande logística, mas há dois aspectos fundamentais a ter em conta:  O transporte (para o local de partida e o regresso do local de chegada) e o alojamento.

No nosso caso, alugamos um carro e uma carrinha de caixa aberta para nos transportar (e às “montadas”) até Bragança e o regresso de Almeida foi feito em carros próprios (familiares foram-no lá buscar)

As etapas também foram divididas tendo em conta a hora de partida (no 1º dia mais tarde, pois foi necessário entregar os carros no representante local da agência), a hora prevista de chegada. Dai o facto da primeira etapa ter sido mais curta.

Em Bragança ficamos hospedados alguns em casa dos pais de um dos participantes e outros no Hotel IBIS.
Em Caçarelhos ficamos hospedados na Casa de Caçarelhos  (excelente local e acolhimento) e em Freixo de Espada-à-Cinta na residencial Fatibel (também muito bom acolhimento e nota-se que já estão habituados a lidar com BTTistas)

(Ver fotogaleria)

Em resumo, uma fantástica jornada, com trilhos e paisagens muito bonitos e acima de tudo, mais uma vez, de uma sadia camaradagem e convívio entre todos os participantes.

A quem puder/tiver  oportunidade, aconselho vivamente e acreditem que tudo somado e dividido, não sai assim tão caro. É mais uma questão de oportunidade/disponibilidade.

Registos GPS


Janeiro de 2011 activo qb :-)

Depois de começar o ano com um  mini-trail de ano novo no dia 1 e uma voltinha de BTT no dia 2 (afinal era necessário queimar as calorias resultantes dos excessos da passagem de ano), terminei o mês de volta à competição na Meia-Maratona de Viana, onde apesar de não ter treinado grande coisa devido a uma lesão contraída a praticar BTT, fiz 1:35:59, tendo obtido  o 617º lugar na geral (127º no escalão M40).

Pelo meio a participação em dois passeios de BTT:  Marcha do Requeson e 1º Raid à Fogaça num total de mias de 290 Kms percorridos e de cerca de 24 Horas de prática de desporto (isto sem contar actividades não registadas tais como algumas corridas ligeiras e entre 2 a 3,5 Km de natação por semana)

Activity Type Count Distance Time Elevation + Avg Speed Avg HR Calories
Running 10 109.78 09:25:40 667 11.6 155 8.298
Mountain Bike 4 138.09 10:32:49 3.066 13.1 140 6.526
Road Cycling 2 22.91 01:01:02 181 22.5 129 627
Trail Running 1 19.37 02:20:51 591 8.3 1.606
Summary 17 290.14 23:20:24 4.505 12.4 144 17.057

XVIII Camiño do Requeson – 16 de Janeiro de 2011

Este passeio de BTT, realiza-se todos os anos no inicio de Janeiro, na povoação de As Neves, na vizinha Galiza.

Da minha parte já começa a ser um clássico, uma vez que esta já é a 3ª participação consecutiva, e já tenho uma prole de amigos que também já participaram nas duas ultimas edições.

É uma prova que se caracteriza por ser algo dura, normalmente com os primeiros 15 a 20 Kms sempre a subir e que, pelo facto de se realizar no inicio de Janeiro, tem ainda os imponderáveis do tempo a ajudar a essa dureza (por exemplo o ano passado o percurso estava em grande parte geado e durante a prova nevou .

Este ano, curiosamente, o tempo esteve óptimo para a pratica do BTT e o percurso escolhido foi, como não podia deixar de ser duro e com muita lama, mas também muito bonito, em especial na parte final, onde percorremos alguns kms pela margem do rio minho.

Foi uma bela jornada de BTT e de confraternização, com o único senão de ter feito uma distensão muscular, por ter escorregado ao pousar o pé quando saia da bicicleta.

Mais informações  sobre o Camiño do Requeson em http://www.cclamprea.com/cclamprea/index.php


1º Raid à Fogaça – 23 de Janeiro de 2011

Uma semana depois do Requeson, mais um passeio de BTT organizado pelo Rotary Clube da Feira, cujo percurso decorreu em zonas onde normalmente ando, mas no qual participei com todo o gosto, uma vez que o mesmo tinha fins de beneficência.

A prova percorreu trilhos do concelho da Feira e de Ovar, com um grau de dificuldade médio/baixo, mas em algumas zonas a exigir algum esforço e pericia devido à muita lama que fomos encontrando.

Uma vez que o percurso só tinha 30 Kms, para fazer um treino mais longo, fui desde Ovar (e voltei) até ao local de partida no centro da Feira de bicicleta.

Mais informações sobre a prova em http://raidbttfogaca.blogs.sapo.pt/


XIII Meia-Maratona de Viana do Castelo – 30 de Janeiro de 2011

Apesar da lesão contraída no Camiño do Requeson me ter impedido de treinar convenientemente corrida nos 15 dias antecedes à prova, fiz questão de estar presente por um lado para atestar o meu nível de forma tendo em vista objectivos a médio prazo e, por outro, por ter uma grande afinidade com Viana do Castelo, capital de distrito de Melgaço , minha terra natal: Sou minhoto :)

Esta meia-maratona, também conhecida por Meia-Maratona Manuela Machado por ser uma homenagem a essa grande atleta filha da terra, é bastante dura devido ao constante sobe e desce, ao vento que por vezes se faz sentir e ao facto de parte do percurso (quase no final) ser em paralelo.

Por outro lado pareceu-me bastante bem organizada, com a oferta de um bom saco aos atletas (onde até não faltou uma garrafa de vinho :) ), com muita participação e com muitos atltetas vindas da Galiza (segundo as classificações mais de 400).

Quanto à minha prova em si, apesar de estar mal preparado, arrisquei um andamento razoavelmente forte no inicio e até aos 15Kms, altura em que “estourei”, a coisa correu bem. Os últimos 6 foram feitos em grande esforço e sofrimento, tendo feito mesmo assim um tempo interessante: 1:35:59 (eu sei que é um preciosismo, mas fiz um esforço final para não passar para o minuto 36 :) )

Mais informações sobre a Meia-Maratona de Viana em http://www.mmviana.com/

Por último referir que toda a “telemetria” destas provas bem como dos treinos e actividades que vou fazendo, podem ser vistos no meu GARMIN Connect

5ª edição Laac-Laacar Btt

BTT Laac 2010

Domingo 6 de Junho de 2010 

Aguada de Cima – Águeda

A prova, muito bem organizada pelo Laac,  é composta por uma Meia-Maratona (cerca de 40 Kms) e por uma Maratona (cerca de 80Kms) e realiza-se por trilhos rurais e florestais, na zona de Aguada de Cima (poucos Kms a sul de Águeda)

Na semana anterior à prova ainda pensei em alterar a minha inscrição dos 40 para os 80Kms, mas depois de ponderar melhor e, até porque nesta fase da época ando a treinar muito mais atletismo que BTT, em preparação para o Ultra-Trail Serra da Freita, decidi manter-me nos 40Kms e em boa hora o fiz porque dificilmente iria aguentar os 80Kms

Site oficial da prova

 

Como correu

Apesar de ter ido à prova sem qualquer intuito competitivo, resolvi faze-la a um ritmo elevado a ver o que dava.

Ao contrário do habitual, este ano não choveu e a passagem dos participantes levantava uma nuvem de pó que fez com que em algumas zonas, ao seguir na roda, literalmente não se visse o percurso, não sendo por isso de estranhar que por volta dos 8Kms uma rodada de trator obliqua ao percurso me fizesse desafiar as leis da gravidade e dar um mergulho em seco, felizmente sem consequências de maior, ficando a coisa por uns pequenos arranhões e por um banho de pó reforçado.

Apesar do percalço, rapidamente recuperei o ritmo e cheguei ao cima da subida juntamente com um colega que ficou em 30º lugar.

Na parte da descida, não arrisquei (talvez condicionado pela queda) e perdi o contacto com ele.

Chegado ao final da descida e por volta dos 30Kms comecei a quebrar fisicamente (falta de treinos) e fui sendo passado por alguns concorrentes, (a  juntar a outros que já me tinham passado a meio da descida quando parei para dar assistência a um participante) terminando  a prova na 45ª posição com o tempo de 2:11:25 (a 21m e 36s do vencedor)

Classificações completas

Fotogaleria

Solidariedade – Serviu-me de lição

Apesar de estar a fazer a prova a dar o máximo que podia, tal não impediu que o meu sentido altruísta e de solidariedade falassem mais alto tendo parado para prestar assistência a um participante que estava furado e não tinha bomba de ar. Para não perder muito tempo, e depois de combinar com ele a entrega no final, deixei-lhe ficar a bomba e acabei por deixar ficar também uma câmara de ar a um outro que entretanto também furou, tendo eu continuado o resto a arriscar, porque não tinha mais nenhum material suplente.

Até hoje, e apesar de ter procurado junto da zona de chegada, ainda estou à espera que a pessoa que ficou com a bomba me contacte para ma devolver …

 Serviu-me de lição: a partir de agora só paro para prestar assistência em caso de acidente ou a amigos que encontre no percurso, até porque quem vai ao mar avia-se em terra

Fora dos trilhos

Esta prova é conhecida nos meandros do BTT (pelo menos naqueles com quem me relaciono) como a prova do leitão, isto porque no final, é servido a todos os participantes e acompanhantes inscritos um lauto almoço com leitão e espumante da zona à descrição. Digamos que esta é a prova que quase me faz enjoar de leitão :)
Quanto à organização, nada a apontar: Simpatia, disponibilidade, bons abastecimentos, presença durante o percurso … talvez a sugestão de organizarem um programa para ocupar os acompanhantes (o ano passado tinham umas carrinhas que se deslocavam para zonas de passagem da prova para que estes a pudessem acompanhar).

Há!!  Já agora, não demorarem tanto tempo a disponibilizar as fotos da prova no site

Surpreendente vitória da Equipa LF201xs nos 3º Trilhos da Feira em BTT em Orientação por road-book

Habitualmente, aos fins-de-semana pratico BTT, muitas das vezes na companhia do meu velho amigo Carlos Vaz.

Como desta vez não havia nenhum impedimento de agenda, com o único objectivo de conhecer novos trilhos e experimentar fazer Orientação com roadbook em BTT, resolvemos participar no 3º Trilhos da Feira em BTT em Orientação, prova organizada pela secção de BTT do Grupo Desportivo Milheiroense.

À hora marcada lá partimos e fomos andando, divertindo-nos a descobrir os trilhos traçados no roadbook, grande parte deles novidade para nós.

Durante a prova mantivemos um bom ritmo (o carlos assim o impõe) e a verdade é que tirando uma hesitação ou outra nunca nos perdemos e não tivemos nenhum problema ou avaria.

Chegamos ao final com a sensação que tínhamos andado razoavelmente bem e que para primeira experiência, a prova até tinha corrido bem.

Lavadas as bikes, o Carlos regressou de imediato a casa pois tinha pessoas à espera para o almoço (acho que esta foi uma das razões para andar depressa…), e eu regressei pouco depois (tomei banho lá).

Por volta das 4h da tarde, ligou-me o Fernando (Paciência) a dizer que tínhamos sido os 1ºs na classificação por equipas. Pensei que estava no gozo. Liguei de imediato ao Carlos a contar a boa nova…

Obviamente que foi uma boa surpresa e que, apesar de o objectivo para a prova nunca ter sido esse, nos deixou contentes.

Agora parecemos aquela rábula dos Gato Fedorento:

- “Ganhamos porque o senhor anda bem e impôs um bom ritmo”

- “Nãa! Você é que esta a andar muito bem”

- “Sim, mas o seu sentido de orientação é muito apurado”

- “O meu apurado!?! O do senhor é que é”

A verdade é que de facto nesta prova funcionamos bem como equipa.


 Links relacionados: